sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Tradução

Escrever era a única coisa que ela queria fazer.
-Ela escreveu.
Versos. Cartas. E-mails.
- Ela escreveu
Poesias. Bilhetes. Ditados
- Ela escreveu
Crônicas. Artigos. Recados.
- Ela escreveu
De giz. No quadro
- Ela escreveu
Outros artigos. Outros poemas. Outras letras.
Novas rimas, escreveu. 
E sabe? Ninguém leu.
Escreveu,
porque percebeu,
Quando leu, 
Que era assim a forma mais pura
Que tinha de mostrar e traduzir o que era mais genuinamente seu.
- Ela escreveu só.

Ela só escreveu.







segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Do enlace das mãos

De mãos dadas eles sorriam.
Era engraçado perceber que as mãos dela eram bem menores que as dele.
O que o inspirava a protegê-las entre as suas.
Ela, ao ajeitar o cabelo, retirou as mãos de sob as dele.
Ele permaneceu ali com as mãos abertas.
E, para as mãos ansiosas dele, foi o tempo de uma eternidade
Até que ela enfim repousou seus dedos novamente.
De mãos entrelaçadas
Ela, distraída, não percebeu quando ele a olhou com admiração.
Lançou-lhe um olhar tão terno.
Tão cheio de amor
Que se transformou logo num sorriso de gratidão por estar ali.
Eles estavam seguros, apoiados um no outro
E pareciam certos de que queriam permanecer assim.
Quero reacreditar na permanência.
Era tão bonita aquela cumplicidade
Que espero que eles nunca se percam.
Que as mãos nunca esqueçam como encontrar a outra.
Que nunca encontrem sentido em outras mãos.
Espero que sejam sempre as palmas dele a esperar pelas dela.
Que esse momento não perca nunca a importância!

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Destinatário

Ao "estranho amigo".

Olá, acredito que eu não o conheça.
Por um momento, cheguei a pensar já o ter visto,
Mas, descobri há pouco certo grau de miopia.
Então, é provável que eu tenha mesmo me enganado.
Perdoe-me se o constrangi.
Acenei pra você, pois achei que eramos amigos,
mas não.  Você parecia corresponder e, apenas por isso, insisti.
Você foi embora e eu fiquei achando estranho,
afinal... Era de bom tom vir até a mim.
Que tola.
Só agora me dei conta de minha tamanha confusão.
Sabe, por um momento, eu achei que você havia me percebido.
Obrigada por ter sido educado, se é que houve mesmo uma tentativa
de me corresponder, apenas para não me deixar entristecida.
Mas sabe como é, né?
Fiquei entristecida
Por você ter ido embora sem se despedir.
Pensei: "Gente, o que será que houve? Fiz algo errado?"
Esperei que você, amigo da calçada, atravessaria a rua.
mas, não. Isso me entristeceu.
Lógico, eu teria razão se fossemos amigos
Mas nem era o caso, né?
Então, eu, por tudo isso
Penso que devo pedir que me desculpe.
(O engraçado, é que eu acho que você nem se lembra
desse nosso encontro)
Será que eu tinha o direito de ficar chateada com alguém que nem sei bem quem é?
óbvio que não.
Já entendi que o que parecia ser um aceno amigável
Era apenas um estranho a chamar o ônibus,
Que vinha logo ali.
...
Ps: Preciso urgente refazer essas lentes. Estão antigas,
Eu já não tenho apenas astigmatismo.
Por isso as coisas ficam um pouco embaçadas
E, espero que entenda, eu estava um pouco distante
Não consegui ler a placa que avisava:
"Ponto de ônibus".
(Olha eu contando minha vida pra você.
Como se te interessasse! haha)

Da "amiga" do outro lado da calçada!





terça-feira, 7 de junho de 2016

Silêncio eloquente

De um papel
Basta um pedaço
E desabafo.
Discorro em sílabas
E me refaço.
Me exponho em verso,
Em rima
Me reconheço.
Não converso.
Confesso.
Estranha afinidade com a palavra.
Prolixidade inútil
Se, quando preciso,
A oratória me escapa.
Desconverso
Faço um verso.
Expressão em vão
Já que falta voz.
...

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Diagnóstico

São saudades urgentes as minhas.
Meus olhos parecem sentir falta
De ver as pessoas que o fazem brilhar
Em meio a tamanho contentamento.
Meu coração
Quer estar próximo aos que ama
E o fazem tanto bem.
Meus braços carecem
revisitar abraços há muito não encontrados.
Meu riso está contido
E sente vontade de soltar-se gargalhada
Em meio aos mais chegados.
Meus ouvidos anseiam ouvir
Tons que lhe sejam familiares.
É verdade
Que a urgência habita em um certo egoísmo
De querer tudo isso
Assim pra ontem.
Ando sofrendo de lonjuras
Como bem versificou (diagnosticou) o poeta.







segunda-feira, 28 de março de 2016

Do movimento

E de uma hora para outra a vida muda.
A gente para e respira.
Tudo parece fora dos eixos.
- "Vamos lá, puxe o fôlego" 
Com toda força e com doses diárias de fé,
A gente engole o choro e enfrenta.
A vida parece perceber que você se posicionou.
E as coisas parecem melhorar
O eixo perdido
Você volta a encontrar.
Acha-se satisfeito.
Um tanto confuso,
Mas parece refeito.
E vai se encontrando nesse lugar pra onde a vida te levou.
Se pergunta ainda se é isso mesmo...
Tem dúvidas,
Mas as coisas parecem mais fáceis agora.
O céu anda azul com nuvens claras.
E você segue superando seus medos
Fazendo calar esse eu, que as vezes ensurdece.
Tudo está calmo.
Mas o céu sofre mudanças a cada segundo.
Você percebe que é de reviravoltas que é feito o mundo.
 E você está, mais uma vez, em clima de despedida,
Pensando o que fazer agora da vida.
Algo te pegou de surpresa.
Surpresa tão boa
Que te deixou sorrindo a toa.
Mas, "E agora, José?"
A vida veio perguntar.
Você, de tão feliz, nem parou pra pensar.
Precisa muito exercitar sua fé
Que mais uma vez sua vida vai mudar. 

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Old Friend.


"Amigo velho

Eu te desejo sorte" ((♪))


O Facebook me contou certo dia
Que você estava triste.
Na verdade, ele me fez supor, eu não sabia.
Procurei esclarecer,
Tentei perguntar,
Mas você não parecia muito a fim de conversar.
Então me dei conta

Que já não éramos como antes.
Percebi, e eu não sei bem o por quê, 
Mas era claro, você se fez distante. 
Não procurei entender. 
Só deixei o tempo passar.
Um belo dia, sobre você ouvi notícia.
Eu já não sabia nada.

Mas, novamente tentei falar.
Ineficaz tentativa de me reaproximar.

Me parecia errado insistir
Em algo que para você parecia não mais existir. 
Achei melhor não incomodar.
Até que veio você.
Dessa vez querendo falar.
E eu pensei: Ah, não custa tentar. 

Então ouvi tudo o que disse
E, não sei se faz diferença saber...
Mas, confesso: Agora, eu estou triste.
Era importante pra mim saber como você estava.
Só que fiquei surpresa.
Apesar de já imaginar
Que motivos fez você simplesmente escolher nos anular.
Mas são tão rasas as impressões que restaram sobre mim.
E isso me fez questionar. 
Fui ver nossas lembranças 
E eu já não estava lá.
Antigos laços,
Parece que você quis mesmo cortar.
O que para mim parecia forte.
Pra você já não tinha suporte.
E eu sei que foi sem querer,
Mas...você conseguiu me magoar.
E talvez tenha mesmo razão
E não haja como reaver.
Infelizmente, a vida tem dessas coisas.
Acontece, pelo caminho,
Da gente se perder. 
Mas gostaria que soubesse
Que você ainda significa
Na verdade, nunca deixou de significar.
Talvez nossos sonhos já não sejam parecidos
E por isso você optou não mais comigo os seus compartilhar.
É uma pena que você tenha deixado de me considerar.
Ficaria feliz se conseguíssemos nos reencontrar.
Quem sabe um dia a vida 
Te faça me "re-conhecer"
E aí, talvez, você volte a ver em mim
O que eu nunca deixei de enxergar em você.